BLOG

Atividade física ajuda a evitar e a combater o câncer

Atividade física ajuda a evitar e a combater o câncer

Além de proteger contra o surgimento de tumores, a Atividade física contribui para o sucesso do tratamento da doença.

A carga genética de um indivíduo não é, na maioria dos casos, o que mais influencia no surgimento de um câncer. Já está claro que muitos outros fatores contribuem para a doença se manifestar (ou não). Nessa lista, está a atividade física, como ficou evidente em uma apresentação que acompanhei no congresso anual do Colégio Americano de Medicina do Esporte, nos Estados Unidos.

E o bacana é que ser ativo não só reduz o risco de um tumor aparecer como também favorece a recuperação das pessoas diagnosticadas com a doença.

Neste Dia Mundial do Câncer, o Metrópoles selecionou oito mudanças para diminuir os fatores de risco que você pode começar hoje mesmo. Mesmo quem já convive com hábitos ruins consegue reduzir a probabilidade de desenvolver a doença no futuro. “Nunca é tarde para começar a se cuidar. Quanto mais cedo, melhor”, afirma Janaina Jabur, oncologista da Aliança Instituto de Oncologia. Confira:

Pare de fumar
Uma das maneiras mais conhecidas para evitar o desenvolvimento de células cancerígenas em geral é não fumar. Não adianta diminuir o consumo, a indicação é erradicar o cigarro. A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera o tabagismo a principal causa de morte evitável — pelo menos 70 das 4.720 substâncias tóxicas presentes no produto são cancerígenas.

Segundo a Fundação do Câncer, 90% dos casos de câncer de pulmão acontece por fumar e, dos 10% restantes, um terço corresponde a fumantes passivos. Porém, outras neoplasias como de esôfago, estômago, pâncreas, rim, bexiga, mama e em tumores da região de cabeça e pescoço, como boca, laringe e garganta podem ser resultado do tabagismo.

Diminua o consumo de álcool
A bebida alcoólica também é conhecida pela relação com o câncer. Segundo uma pesquisa da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, a ingestão de álcool danifica o DNA das células-tronco, favorecendo o desenvolvimento da doença. Estudos mais antigos garantem que o etanol, em quaisquer quantidade, pode auxiliar o desenvolvimento de câncer de boca, faringe, laringe, esôfago, estômago, fígado, intestino e mama, agindo como uma espécie de solvente e ajudando elementos químicos nocivos a entrarem nas células (como quando é associado ao cigarro, por exemplo). Segundo o INCA, quanto maior a dose e o tempo de exposição, maior o risco.  

Controle o peso
Uma das principais epidemias do século 21 é a obesidade. O excesso de peso, tão comum na nossa geração, também tem relação com o câncer. Um estudo da Universidade de São Paulo (USP) em parceria com a Universidade de Harvard, associou a gordura a vários tipos de câncer, como mama, cólon e reto, útero, vesícula biliar, rim, fígado ovário, próstata, mieloma múltiplo (células plasmáticas da medula óssea), esôfago, pâncreas, estômago e tireóide. Um IMC acima de 22 já é preocupante.

Faça exercícios físicos regularmente
A atividade física é benéfica para o corpo em geral: ajuda a equilibrar níveis de hormônios, fortalece o sistema imunológico, ajuda a manter o peso e o bom funcionamento do corpo, segundo o INCA. Um estudo de 2018 da USP descobriu que 8,6 mil casos de câncer em mulheres e 1,7 mil em homens poderiam ter sido evitados apenas aumentando o tempo de exercícios por semana.

Invista em uma alimentação saudável
Uma dieta balanceada, rica em frutas, vegetais e cereais integrais e pobre em alimentos processados pode prevenir de três a quatro milhões de casos de câncer por ano no mundo, de acordo com o INCA. Alguns alimentos podem, inclusive, ajudar a combater o câncer: suco de laranja, aspargos, ovos, feijão, semente de girassol, tomate, uva, morango, folhas verdes e açafrão são algumas comidas cheias de benefícios para a saúde.

Evite a poluição ambiental
A vida nas grandes cidades, cheias de poluentes no ar, está associada ao desenvolvimento de neoplasias. O problema não é só quanto à queima de combustíveis fósseis: a fumaça de incêndios florestais e poeira de terra também são cancerígenos. Segundo a OMS, há relação com o câncer de pulmão e de bexiga, por exemplo.    

Faça sexo seguro
O uso de preservativos em relações sexuais é fundamental para evitar doenças transmissíveis. Uma delas é o papiloma vírus humano (HPV), um dos principais responsáveis pelo câncer de colo de útero, vulva, pênis e garganta.

Tome vacinas
Algumas doenças que não tem nada a ver com o câncer possuem alto potencial cancerígeno: é o caso da hepatite, por exemplo. Por isso, é importante se manter vacinado para evitar enfermidades que possam evoluir para a neoplasia.

Outro ponto importante é ficar vigilante em relação a mudanças na saúde. O diagnóstico precoce é fundamental para combater a doença.